A crise do jeitinho brasileiro: da razão tupiniquim à elite do atraso

Rudimar Barea

Resumo


Este trabalho tem por objetivo traçar um itinerário crítico sobre o “jeitinho brasileiro de ser” com apoio das obras Crítica da Razão Tupiniquim de Roberto Gomes e A elite do atraso: da escravidão à lava jato de Jessé Souza. Nosso estudo partiu da problematização sobre os processos de crise que a sociedade enfrenta, em especial, a crise do pensamento e do “jeitinho brasileiro”. Tomaremos como ponto de partida para apresentação deste trabalho a obra de Roberto Gomes: Crítica da Razão Tupiniquim elaborando uma análise sintática sobre seu conteúdo e realizando interfaces de suas ponderações no que diz respeito ao jeitinho brasileiro de ser. No segundo momento faremos uma análise crítica da obra A elite do atraso: da escravidão à lava jato do sociólogo Jessé Souza e, com esta, evidenciar os desafios a serem superados elencados pelo pensador. Como terceiro aspecto pretende-se evidenciar os elos existentes entre as obras analisadas e refletir sobre a conjuntura atual da crise no Brasil, em especial, salientar a crise do pensamento e a possível superação dessa crise para além do jeitinho brasileiro.

Palavras-chave


Conjuntura; Crítica; Diálogo; Desafios; Razão Tupiniquim

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Rubem Azevedo. Estórias de quem gosta de ensinar. 9. ed. São Paulo: Cortez, 1986.

AL-YABRI, Mohamed. Crítica de la razón árabe. Barcelona: Icaria, 2001.

BAUMAN, Zygmunt. Por uma sociologia crítica: um ensaio sobre Senso Comum e Emancipação. Trad. Antônio Amaro Cirurgião. Rio de janeiro: Zahar, 1977.

CPT. Papa Francisco: “Nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos”. 2014. Disponível em: www.cptnacional.org.br/index.php/publicacoes/noticias/geral/2314-papa-francisco-nenhuma-familia-sem-casa-nenhum-campones-sem-terra-nenhum-trabalhador-sem-direitos?highlight=WyJwYXBhIiwiZnJhbmNpc2NvIiwicGFwYSBmcmFuY2lzY28iXQ==. Acesso 12 maio 2018.

DUSSEL, Enrique. Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, jan./abr. 2016. Disponível em: www.scielo.br/pdf/se/v31n1/0102-6992-se-31-01-00051.pdf. Acesso 24 maio 2018.

DUSSEL, Enrique. Oito ensaios sobre cultura latino-americana e libertação. São Paulo: Paulinas, 1997.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GERMANO, José Willington. As quarenta horas de Angicos. Educação & Sociedade, v. 18, n. 59, ago. 1997. Disponível em: www.scielo.br/pdf/es/v18n59/18n59a08.pdf. Acesso em:13 maio 2018.

GOMES, Roberto. Crítica da razão Tupiniquim. Porto Alegre: Movimento, 1979.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Raízes do Brasil. 26. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

LYRA, Carlos. As quarenta horas de Angicos: uma experiência pioneira de educação. São Paulo: Cortez, 1996.

MACHIAVELLI, Niccolò. O príncipe: a natureza do poder e as formas de conservá-lo. Trad. Candida Sampaio Bastos. São Paulo: DPL, 2008.

RIBEIRO, Darcy. Aos trancos e barrancos: como o Brasil deu no que deu. Rio de Janeiro: Guanabara Dois, 1985.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à lava jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Instituto Superior de Filosofia Berthier (IFIBE) | Rua Senador Pinheiro, 350 - Bairro Vila Rodrigues - CEP 99070-220 - Passo Fundo, Rio Grande do Sul - Brasil | Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ISSN: 2526-5709